Artigos

Faculdade Pública Versus Particular

Devo escolher uma faculdade pública ou uma particular?

De todas as perguntas que me fazem via e-mail, twitter ou facebook, esta com certeza é a mais frequente dentre os vestibulandos não só de veterinária, mas de todos os outros cursos que seguem o blog. Será que a escolha entre uma faculdade pública ou particular poderá realmente influenciar na carreira profissional? Visando esclarecer e desmistificar um pouco mais esta questão, resolvi elaborar um pequeno texto relacionado ao tema, tentando me manter imparcial em todos os aspectos. Espero que possa ser útil a todos os vestibulandos que ainda estão em dúvida sobre qual faculdade escolher.

Sou de Curitiba e sempre estudei em escola pública. Embora todos os colégios que eu tenha estudado fossem de ótima qualidade, eu com certeza não teria condições de passar em qualquer curso de medicina veterinária sem ajuda de um cursinho. Até que conheci o Em Ação, criado totalmente por voluntários para alunos que desejassem passar na UFPR. Como suas aulas eram ministradas praticamente por alunos e ex-alunos da federal, os vestibulandos criavam um estereótipo de que qualquer outra faculdade não importava se não fosse pública. E foi com essa mentalidade que consegui entrar na UEL. Isso tudo até ver de perto como é a faculdade pública e poder reavaliar meu conceitos.

Tive a oportunidade de conhecer muitos alunos e estagiários de outras faculdades através do hospital veterinário e do próprio Vet da Deprê, na qual criei uma opinião própria a respeito desse assunto delicado, muitas vezes tratado de forma errônea pelos alunos de ambas as extremidades. Alunos das públicas de um lado se achando “superiores” por terem passado em um vestibular e alunos das particulares se achando “superiores” por terem mais recursos. Na boa? Esse tipo de infantilidade não vai levar a nada, da mesma forma que existem muitas qualidades nas particulares, existem também nas públicas, assim como defeitos e vice-versa. Visando esclarecer um pouco mais estas ideias, listei logo abaixo os prós e contras de cada uma, tentando ser o mais imparcial possível, para que possa ajudar vocês a tirarem suas próprias conclusões a respeito de qual será melhor para seu futuro.

Faculdade Pública

Prós

  • “Gratuita”. Entra em parênteses porque você não paga nada diretamente, sem contar com os impostos. Mas ainda assim, você precisará arcar com material cirúrgico, instrumentais e livros.
  • Pesquisa. É bem sabido que as universidades públicas são os grandes focos de pesquisa acadêmica do país, com maior possibilidade de bolsas de estudo acadêmico, seja para iniciações científicas, mestrado ou doutorado, coisa que torna-se de certa forma mais difícil em universidades particulares.
  • Infraestrutura. Nossa Luiz, infraestrutura nas públicas? De certa forma, sim! Aquela infraestrutura movida por projetos de pesquisa através de órgãos financiadores. Laboratórios inteiros são construídos com dinheiro de pesquisa, seja da Fapesp ou CNPq, e não aquela fornecida pela própria faculdade, que esta sim costuma ser inferior.
  • Professores. Boa parte dos professores são doutores, ou no mínimo mestres. De todos que eu tive (conte aí uns 30 ou 40),  2 eram apenas graduados. Nos departamentos de veterinária por exemplo, 99% tem doutorado. Isso pode conferir um currículum muito bom caso você deseje partir para uma área específica, pois normalmente os maiores pesquisadores/profissionais de renome estão nas públicas (mas existem várias exceções, vide Marconi – PUCPR).
  • Estágio. Nas públicas existem muitos laboratórios, muitos mesmo! Só na parte de preventiva daqui devem existir mais de 10, sem contar sobre a possibilidade de partir para os laboratórios em comum de outros cursos, como histologia, bioquímica, nutrição, etc., visto que as públicas possuem uma vasta gama de cursos disponíveis.
  • Ensino Integral. Ainda não decidi se isso é um pró ou um contra hahahaha mas aqui vou colocar como pró. A carga horária da veterinária é realmente muito pesada. Embora sempre existam janelas, fico imaginando que o curso em apenas um período deve ser muito cansativo, com aula atrás de aula.

Contras

  • Superpopulação. Não sei se sou o único a ter essa opinião, se isso só acontece em Londrina ou se é a galera que reprova demais mesmo hahahaha, mas eu acho a minha sala muito lotada! Por mais que dividam a sala em até 6 turmas diferentes, às vezes fica difícil ver ou realizar um procedimento com várias pessoas disputando o mesmo espaço que você.
  • Professores. Da mesma forma que os mais renomados estão nas públicas, os mais sossegados também! Alguns professores são típicos funcionários públicos, e pode acontecer não estarem nem aí se você vai aprender ou não, é só passar a matéria que é a obrigação dele e você que se vire. É claro que é a minoria, mas infelizmente existem alguns casos assim. Outra questão é que normalmente os professores estão realmente muito ocupados, seja com a residência, mestrado, doutorado, pós-doutorado, chefias de hospital e departamentos e etc. Isso faz com que o tempo deles dedicado aos alunos possa ser curto, de certa forma.
  • Infraestrutura. Agora sim. Na verdade o grande problema (ou inconveniente necessário) que se encontra são as licitações. Vou citar um exemplo: a faculdade tem 100 mil reais para comprar um aparelho de ultra-som. Ao invés dela comprar um aparelho top de 100 mil, ou dois bons de 50 mil, vence a licitação que oferece 5 aparelhos meia-boca de 20 mil, pois prevalece a quantidade em relação à qualidade. Como as coisas também chegam “à prestação”, pode também acontecer de faltar algum material, aí atééé fazer o pedido pra reitoria comprar, demorará um tempo para ter aquele material em estoque novamente. Pelo menos é o que acontece por aqui.
  • Ensino Integral. Às vezes eu me sinto prejudicado em relação às particulares que tem apenas um período. Isso tudo devido à disponibilidade de estágio, por isso que estava em dúvida hahaha. Muitas clínicas querem estagiários fixos a semana inteira em um turno, e isso é bastante inviável para quem faz período integral.
  • Grade curricular. Por serem antigas, as grades curriculares podem estar um pouco defasadas. Onde estudei, por exemplo, não tivemos nenhuma matéria de clínica de silvestres e isso pesava muuito para quem gostava. Procure se informar sobre a grade da faculdade que está pretendendo entrar para não se decepcionar depois.
  • Burocracia. Tá certo que existe em todo lugar, mas em algumas públicas parece que eles conseguem fazer tudo se tornar mais difícil! hahaha
  • Greves. Assunto que eu havia esquecido e foi muito bem lembrado nos comentários. As públicas entram em greve às vezes e caso você dê o azar de pegar uma quando estiver na faculdade, sua formatura poderá atrasar alguns meses. Na minha universidade, a última greve de professores que teve durou 6 meses (há uns 7/8 anos)! O hospital não para e alguns professores não aderem, mas sempre fica aquele clima de “vai ou não vai” hahaha.

Faculdade Particular

Prós

  • O poder de exigir mais. Não que não se possa exigir nas públicas, já que os centros acadêmicos são para isso, mas na particular você está pagando diretamente à iniciativa privada da universidade, ou seja, você tem o direito de ter um ensino de qualidade.
  • Infraestrutura. Entra junto com o item anterior. Construções não demoram séculos para serem construídas e peças não demoram mais séculos para serem arrumadas. Se a faculdade o curso já é antigo, é provável que a estrutura seja muito boa.
  • Professores. Estão sendo pagos para servirem diretamente aos alunos, pois são estes que financiam a faculdade. Por normalmente serem mais novos, geralmente possuem mais “gás” e querem mostrar serviço.
  • Grade curricular. Geralmente está mais atualizada, principalmente se a faculdade é mais nova.
  • Pró-Uni e FIES. Vou ser sincero e dizer que eu não faço ideia de como está funcionando agora hahahaha, mas na minha época você fazia o ENEM e podia escolher 5 cursos em ordem de preferência para concorrer ao Pró-Uni e fazer a particular na faixa ou com bolsa de 50%. Na época eu ganhei para biologia na Universidade Positivo, e provavelmente teria feito o primeiro ano se não tivesse passado em vet. Não podemos esquecer também do FIES, não sei exatamente como funciona, mas procure se informar sobre o programa de financiamento do governo, tenho alguns amigos que o utilizam e não se arrependem nem um pouco!
  • Ensino em um período. Nada melhor do que fazer estágio fixo em uma clínica particular de manhã ou de tarde todos os dias (em algumas faculdades).

Contras

  • Faculdades novas. Infelizmente não podemos negar que existam muitos caça-níquéis por aí, isso é fato. No Brasil existem mais de 200 faculdades de medicina veterinária, e crescendo! Vet é o segundo curso mais caro de toda faculdade, só perde para medicina. Para que cobrar 4 mil reais de mensalidade em um curso de medicina, se posso cobrar 2 mil em um de veterinária sem ter que construir 1/10 da infra-estrutura do primeiro? Pesquise bastante sobre a história da faculdade e principalmente do curso antes de escolher onde fazer a matrícula.
  • Mensalidade. Este foi o principal empecilho que não me permitiu prestar uma particular, e que deixa muita gente de fora. Levando em consideração a mensalidade da PUCPR – São José, que era R$2.285,00 em 2009, eu gastaria aproximadamente 140 mil reais para me formar, tirando os gastos de materiais extras, como livros, pijamas, macacões, instrumentos, etc.
  • Hospitais e laboratórios. Da mesma forma que as particulares antigas tem ótima infra-estrutura, algumas mais novas não tem nem hospital pronto. Isso para mim é um grande fator negativo, é simplesmente impossível estudar veterinária sem hospital veterinário.
  • Carga horária. Infelizmente algumas particulares possuem uma carga horária menor que as públicas e isso é fato. Mas fique claro que não são todas! Se você estiver interessado uma faculdade, entre no site do curso e compare a carga horária anual com as outras da cidade para ter uma base. Acredito que a média seja entre 800 a 1000 horas anuais.

Bom, estes são apenas alguns motivos que podem te ajudar a escolher sua futura universidade. Procure levar em consideração a história do curso, olhe sempre quem são osdocentes procurando pelo curriculum deles na internet, procure saber sobre a infraestrutura e sobre a grade curricular. Olhando todos estes fatores detalhadamente, acredito que você fará uma escolha mais acertada do que pretende seguir. A internet é uma ótima forma para a coleta de informações. Aproveite e procure por estudantes daquela facul, tire dúvidas, pergunte sobre tudo! A maioria dos veteranos são mandões, mas acredite, existem aqueles que sempre responderão as perguntas dos vestibulandos, afinal, eles também já passaram por isso algum dia.

Quem faz a faculdade é o aluno sim! Já cansei de quebrar a cara com os estagiários quem vem de outras faculdades particulares deitando sobre alguns alunos da UEL, da mesma forma que eu tenho certeza que alguns alunos da UEL se sobressaem muito em relação à alguns alunos de outras faculdades. O que importa realmente para um concurso de residência, por exemplo, não é a faculdade que você veio, mas sim o quanto pode aproveitar de conhecimento dentro dela.
Eu, pessoalmente falando, se não tivesse passado no primeiro vestibular em uma pública, faria mais um ou dois anos de cursinho. Não devido à rivalidade pública x particular, mas sim porque experiência de vida sempre ajuda, e fazer uma particular, querendo ou não, é um investimento relativamente alto, meus pais teriam que se preparar financeiramente para tal. Mas no final das contas coloque tudo em uma balança e veja o que vai ser melhor para você. Uma leitora no facebook até comentou que na região dela a particular possuía uma infra-estrutura muito melhor que a pública. Por que não?
Enfim, espero que o texto possa ter ajudado. Conforme vocês forem comentando eu vou atualizado os prós e contras de cada uma. Lembrando que a opinião dos leitores é muito importante para o crescimento do blog, mas lembrem-se que este é um assunto delicado! 🙂
PS: aquele guia do estudante é mó fajuto! Já viram como é a “classificação” deles? Depois eu faço um artigo só sobre isso… hahahaha
Previous ArticleNext Article
Criou o Vet da Deprê em 2011, quando ainda estava na faculdade. Hoje é Mestrando em Ciência Animal pela Universidade Estadual de Londrina. Gosta muito de marketing digital, é cachorreiro nato e não dispensa um bom livro. Instagram: @lgcorsi